Header AD

Cenas que mais me marcaram no Cinema - Parte 4 | Thiago Henrique Sena



Toda elaboração de listas é complicado. Sempre existe alguma chance de deixarmos algo de fora ou sermos injustos com alguma obra. Para mim, pessoalmente falando, ainda é mais difícil devido ao meu signo, Libra, o rei da indecisão. Porém, depois de muito tempo de reflexão, eu cheguei a esta lista que, de longe, não está completa ou pode ser alterada. No momento ela é composta daquelas cenas que vem a cabeça de imediato quando penso em cenas que me impactaram. Vamos lá.

Pulp Fiction: Tempo de Violência
"Girl, You'll be a Woman"


Pulp Fiction: Tempo de Violência (Pulp Fiction, 1994) é meu filme favorito de todos os tempo. Os motivos vão além de questões técnicas e de narrativa. Embora Tarantino, seu diretor, estivesse em seu auge, Pulp Fiction tem um valor muito mais sentimental para mim. Foi o filme que abriu portas para muitos outros e, principalmente, para o meu desejo de fazer cinema. A escolha dessa cena foi difícil, pois o filme tem várias cenas memoráveis. Porém, eu gosto demais da forma como a Mia Wallace (Uma Thurman) dança sozinha na sala. Acho a combinação entre a música a atuação perfeitas.

"O Duelo"


Sergio Leone está no meu top 5 de diretores favoritos e esse filme é meu filme de faroeste favorito. Também possui várias cenas icônicas, inclusive eu pensei em colocar a cena que se passa logo antes dessa, mas resolvi deixar o duelo final mesmo. Aqui temos uma sincronia perfeita entre trilha sonora e decupagem, em uma cena que dura quase 9 minutos e não perde o ritmo e a tensão. É uma aula de direção e montagem por parte do Sergio Leone.

"Plano Sequência"


Essa cena entra na lista pois, além de bem dirigida, ela me deixou de boca aberta quando a vi pela primeira vez. Trata-se de um plano sequência lateral muito bem executado com uma sincronia perfeita e um peso narrativo muito forte. É quase um fetiche visual ver esse plano, eu tive a oportunidade de vê-lo no cinema bem mais tarde, mas certamente vale muito a pena.

"Suck on This!"


Martin Scorsese é meu diretor favorito vivo. Eu amo todos os seus filmes e tudo que ele faz. Certamente há aqueles que amo mais e outros, menos. Contudo o impacto que tive vendo a cena final de Taxi Driver (1976) foi um negócio de outro mundo. Eu fiquei com uma tensão sem fim e vendo como Scorsese trabalha com aquele personagem perturbado e com uma noção de bondade distorcida é genial.

"Sweet Transvestite"


The Rocky Horror Picture Show (1975) não é meu musical favorito, mas certamente é aquele que mais me marcou com suas cenas musicais. Tim Curry está incrível aqui, sua voz, sua performance, seu carisma. O filme é cativante demais, em uma onda de musicais que resolvem fugir do padrão nos anos 1970, o filme apresenta uma série de sátiras e críticas principalmente a indústria de cinema e tv norte-americana.

"Conversa com um religioso"


Se eu pudesse colocaria o filme inteiro aqui. Abbas Kiarostami tem um poder narrativo incrível. Esse é apenas um exemplo dos diálogos filosóficos e humanitários existentes nesse filme. Embora não o tenha visto em uma sala de cinema, certamente foi um dos filmes que mais me emocionou. A escolha da cena se dá justamente por todas as questões filosóficas e culturais propostas por seu diretor.

"Circle of Life"


Essa é abertura do filme. Melhor que escrever sobre é ver. Basta ver o vídeo. A sensação é autoexplicativa.

"The Gold Room"


O Iluminado (The Shining, 1980) é, para mim, o maior filme de terror já feito. As referências do Kubrick são imensas. Porém as cenas que mais gosto do filme são as que seu protagonista começa a perder a sanidade. Quando o diretor resolve acompanhar ele em suas alucinações. A atuação de Jack Nicholson contribuiu muito para a genialidade dessa cena.

"Carta para Josué"


A parte final desse filme é toda emocionante. Não existe a menor possibilidade de não ver sem sentir algo. Quando vi pela primeira vez, eu chorei muito com esse final. Ao rever o filme ano passado, eu continuei chorando. A atuação da Fernanda Montenegro é monstruosa. Coisa de outro mundo. Até hoje uma injustiçada ela ter sido esnobada pela academia do Oscar.

"Johnny B. Goode"


De Volta Para o Futuro (Back to The Future, 1985) talvez seja o filme que mais tenha visto na minha infância e adolescência. Essa cena me marca muito pois é incrível como esse filme brinca com os acontecimentos históricos e mesmo assim tenta manter uma seriedade. É uma boa comédia com os elementos de ficção científica. Johnny B Goode é uma música incrível e a sacada do filme em utilizá-la é mais genial ainda.

Com essas cenas é possível tem uma noção do meu gosto cinematográfico e pessoal. É um convite a conhecer minha pessoa e minhas referências.

----

Thiago Sena
Bacharel em Cinema e Audiovisual também formado em Letras. Apaixonado por literatura, poesia, pintura, filmes do Bruce Lee, do Tarantino e do Clint Eastwood. Fã nº1 e consumidor excessivo de Coca-Cola, bacon e planos-sequência. Exímio conhecedor de pastéis.
Cenas que mais me marcaram no Cinema - Parte 4 | Thiago Henrique Sena Cenas que mais me marcaram no Cinema - Parte 4 | Thiago Henrique Sena Reviewed by Thiago Henrique Sena on 11/26/2018 02:39:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário