Header AD

Assassin's Creed Odyssey - Novos olhares para uma velha franquia



Nunca fui de curtir muito a franquia Assassin’s Creed. Por mais que a premissa prometesse um grande e ótimo gameplay, sempre achei que todos os aspectos históricos e culturais da formação da sociedade eram deixadas de lado para que a história relacionada aos Assassinos e Templários, em outras palavras, a história era “apenas” um plano de fundo, e por mais, que nos desse a chances de conhecer essas civilizações que só ouvíamos em aulas de História e filmes épicos, acho, que somos nós que temos que estar à favor da História e não o contrário. Dito isto, já fazia algum tempo que tinha em mãos um Assassin’s Creed e havia sido o Syndicate, muito porque queria passear pela Londres vitoriana, em meio ao seu nevoeiro e ruas perigosas. Por esses mesmos motivos e atração pelo Período Helenístico, Odyssey, pareceu bastante interessante, mas eu não sabia que ia gostar tanto desse game.

Numa breve pesquisa, descobri, que seu predecessor, Origins, serviu como uma reformulação total para a franquia, alterando inúmeros aspectos de jogo e visual, Assassin's Creed Odyssey traz mais adições: introduzindo opções de diálogo que irão alterar o caminho da história, bem como uma escolha entre dois protagonistas, Alexios e Kassandra , a primeira vez na história da franquia, o último abordou de forma diferente de Syndicate e Origins, como Odyssey permite que os jogadores experimentem o jogo inteiro como um personagem ou outro, andando exatamente o mesmo caminho. Estes elementos foram adicionados a um estilo de jogo semelhante ao de Origins, enfatizando que Assassin's Creed estava se tornando, ainda mais, uma experiência de RPG. No entanto, pela primeira vez na história da franquia, a lâmina oculta, uma “arma de assinatura” dos Assassinos nos outros jogos é completamente descartada e substituída pela Lança Quebrada de Leônidas, um artefato da Primeira Civilização que pode servir tanto como uma arma comum quanto uma com capacidades “mágicas”, que permite aos jogadores experimentar um combate de estilo fantasia em certos casos, sem quebrar a mitologia da franquia, explicando os efeitos mágicos como tecnologia da Primeira Civilização.


Situando-se em 431 a.C. na Grécia com o pano de fundo da Guerra do Peloponeso entre Esparta e Atenas, os jogadores irão assumir o controle de Alexios ou Kassandra, ambos de uma família espartana e descendentes do rei Leônidas. A família do protagonista foi assediada pelo Culto de Kosmos, e eventualmente, o protagonista deixa a família depois de sobreviver a uma grande queda e crescer longe de Esparta, em Kephallonia, onde a história do jogo começa, e experimentando flashbacks de sua infância. 

De lá, nossa jornada começa…

A narrativa geral se desdobra em três grandes arcos: o arco da família, o arco da Primeira Civilização e o arco atual. O primeiro arco ao qual os jogadores serão apresentados é o arco da família, com os outros dois entrando no game em diferentes fases do jogo, e enquanto o jogo é majoritariamente focado no arco da família, as histórias de Layla Hassan no presente, Rei Leônidas em 480 a.C. e o arco da Primeira Civilização, servem como âncoras e lembretes da história maior e do lugar do protagonista na narrativa abrangente e seu impacto na História.

No geral, o enredo do Odyssey é um dos mais ricos da franquia. Existem certas lacunas e partes que parecem apressadas, como o conhecimento de Layla sobre a Primeira Civilização, e em certos momentos, existem saltos no tempo e espaço, que teriam sido melhores se fossem mostrados com mais detalhes em cutscenes, ao invés de abruptamente ir direto ao ponto e deixar os jogadores imaginarem apenas o que aconteceu entre eles. Há claramente muito mais esforço implementado no enredo atual do que me lembro nos jogos antigos, e é um bom passo à frente, mas ainda pode usar mais trabalho para se comprometer como um aspecto distinto e bem construído do jogo.


A beleza do enredo está nos personagens, tanto Alexios quanto Kassandra (maravilhosa!), apesar do fato de que suas decisões moldam sua personalidade dependendo das escolhas dos jogadores, também são personagens estabelecidos. Os atores por trás deles fizeram um ótimo trabalho dando vida aos personagens. Eles são diferentes dos outros protagonistas que conhecemos durante a franquia, já que eles não são aliados de nenhuma facção. Eles não são guerreiros espartanos nem atenienses, mas mercenários frequentemente temidos por sua sociedade ou procurados quando pedem um favor. Então, de certa forma, eles são vistos mais como heróis, o que os diferencia dos demais membros comuns de sua sociedade e de suas leis, preconceitos e princípios.

Os personagens secundários e vilões estão entre os mais memoráveis ​​da franquia. Suas conversas, relacionamentos e impacto um no outro são complexos, tornando-os memoráveis. Barnabé e Heródoto acompanham Aleixo/Kassandra em sua jornada, fornecendo-lhes conselhos, documentando sua jornada enquanto Sócrates tem alguns debates filosóficos e políticos interessantes, às vezes, com o propósito de convencer uma audiência com uma certa ideia que tem a ver com sua lealdade como uma figura política específica.


O meu favorito e principal aspecto do jogo é o seu mundo, como disse no começo sobre jogarmos a História, é sempre um prazer poder andar por esses lugares que só podíamos imaginar através de documentos históricos e outros materiais, acredito que o mundo de Odyssey seja o maior mundo até agora, com a maior diversidade e atmosfera. A água é cerca de 40% do mapa, mas as massas de terra são grandes e a maioria é bem povoada, rica em templos, túmulos e monumentos maciços. A arquitetura varia de mármore branco brilhante a marrom, a estruturas de madeira, e edifícios refletem diferentes eras e civilizações que habitaram a Grécia, incluindo a antiga civilização Minóica (o povo que vivia em Creta). Muitas das estruturas compartilham características comuns em termos de arquitetura, mas uma boa variedade de cores e natureza. Algumas áreas apresentam florestas densas, outras são dominadas por áreas povoadas, cidades muradas e fortalezas, enquanto outras são vulcânicas, desprovidas de vida e ricas em lava, fumaça e vapor. Locais áridos dominam a massa de terra do sul, a neve cobre alguns topos de montanhas, criando um belo contraste com as cidades exuberantes perto do sopé da montanha.

Além da beleza e diversidade do mundo, há também vida dentro dele. Personagens que têm uma vida e tarefas para continuar. Em um dos meus gameplays rodando pelo mundo, vi um soldado tentando ajudar outro que estava deitado no chão, e aconteceu uma vez tão aleatoriamente numa estrada que já havia passado várias vezes, mostrando como existem NPCs vivos no mundo a quem você poderia tropeçar em qualquer ponto de suas vidas. É difícil escolher uma cidade ou ilha favorita em Odyssey porque o mundo está cheio de maravilhas e os vários locais são distintos e também estão perfeitamente conectados, proporcionando uma transição bonita e natural.


Falando em jogabilidade, Odyssey segue um sistema baseado em missões, onde os jogadores podem aceitar uma infinidade de missões e completá-las sempre que quiserem. Há missões da Odisséia (histórias relacionadas à família, Primeira Civilização, dias atuais e arcos do Cósmo), bem como missões de personagens que são secundárias relacionadas a personagens específicos que te desafiam, missões mundiais relacionadas com várias atividades ao redor do mundo (não vinculadas a um personagem específico ou enredo), além de contratos e recompensas, algumas das quais são tarefas limitadas, que os jogadores podem encontrar em quadros de mensagens. Todos contribuem para elevar o nível do jogador através do XP, itens e dinheiro.

Um dos aspectos únicos da jogabilidade é que ela é construída em torno do protagonista ser um mercenário. Alexios/Kassandra realizam tarefas para ganhar dinheiro como mercenários, junto com mercenários de combate que são incumbidos por seus inimigos de caçá-los. O protagonista tem a opção de entrar em combate com eles, pacificá-los e recrutá-los para o seu navio ou para pagar a recompensa. Os próprios protagonistas são classificados entre outros mercenários e podem subir nas fileiras dependendo de quantos mercenários eles podem derrotar. Além disso, devido ao jogo que está sendo realizado durante a Guerra do Peloponeso, membros de ambos os lados, os atenienses e os espartanos, estão se engajando em combate por diferentes meios. Devido ao fato de que o protagonista é um mercenário e o Culto se infiltrou e manipulou os dois lados da guerra, cabe ao jogador decidir se deve lutar por Atenas ou Esparta e em qual cidade. Os jogadores podem escolher se infiltrar nos fortes espartanos ou atenienses e roubar seu tesouro nacional, destruir seus equipamentos e derrotar seus líderes e, eventualmente, iniciar uma “batalha de conquista”, em que o lado vencedor vai assumir o controle da cidade. O jogo notificará o jogador do progresso da guerra e qual lado está vencendo.


Tendo uma infinidade de mudanças no estilo e no gênero da franquia, Odyssey vem da nova fórmula começada em Origins e decola com seu novo conjunto de recursos, estabelecendo-se como uma experiência de RPG de mundo aberto. É um ótimo ponto de partida do que Assassin’s Creed já foi em termos de estilo de jogo, design de missão, contar histórias e até, um início para quem nunca jogou nada da franquia. Introduzir opções de diálogo e seleção de personagens foi uma escolha questionável já que o Animus se baseia em sincronizar a memória genética, exatamente, da maneira que aconteceu (com pequenos desvios), que agora está dando liberdade ilimitada aos jogadores, incontáveis ​​personalizações e a total ausência de discrição social. Também introduziram opções de romance, um toque legal que foi promovido durante o anúncio do jogo, apesar de acabar sendo mais uma característica opcional facilmente perdida, sem muita profundidade ou compromisso como Mass Effect 2 e 3. A questão do diálogo foi um pequeno incômodo por conta da opção da história ser contada em inglês, ela acaba parecendo um pouco pobre com personagens gritando ou falando “Fuck You”, “Fuck you!”, “fuck… you”, diversas vezes num mesmo diálogo. Talvez, poderiam ter contornado a questão de gírias e palavrões de uma maneira melhor.

Odyssey mudou o foco para contar sua própria História, sendo acompanhada por um historiador que documenta sua aventura, seguindo três arcos narrativos que visam satisfazer diferentes tipos de fãs. Ele traz o foco, há muito, esperado no folclore, algo que a franquia está perdendo há um tempo e ajuda a estabelecer Layla Hassan como uma protagonista moderna com um novo arco, embora ainda não esteja muito claro o que exatamente a nova ameaça para a humanidade é, onde Layla está em tudo isso ou o significado por trás das transmissões enigmáticas da Primeira Civilização e outra oportunidade perdida de utilizar figuras mitológicas gregas de uma maneira significativa dentro do contexto do folclore, mas com os arcos de história entrelaçados junto com os novos e interessantes personagens, artefatos e elementos com os quais nos apresentamos criam uma experiência expansiva que mostra várias possibilidades para o futuro da franquia, tornando o Odyssey um dos mais memoráveis ​​jogos de Assassin's Creed nos tempos recentes.

----

Tatiana Ferreira 
é uma nerd que é formada em Cinema por razões cósmicas do universo. Faz parte do site Tapioca Mecânica e adora dividir seus conhecimentos em cultura pop com tudo e todos. Só queria ter mais tempo para acompanhar tudo.
Assassin's Creed Odyssey - Novos olhares para uma velha franquia Assassin's Creed Odyssey - Novos olhares para uma velha franquia Reviewed by Elvio Franklin on 12/06/2018 09:41:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário